onkeydown='return checartecla(event)'> expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

domingo, 7 de agosto de 2011

Dia do Escritor

Consuma
No Brasil existem datas comemorativas que passam como poeira ao vento, passam sem  ninguém perceber e uma delas é o dia do Escritor...



Quando se é dia de algo que favoreça os bolsos de grandes empresas   a mídia estimuladora do consumismo desenfreado da uma atenção especial e estimula com propagandas as pessoas a comprarem produtos, e o pior de tudo é que muitos simplesmente compram sem saber o real significado do ato de estar comprando,

ou seja esquecem o simbolismo representado por determinadas datas , quando se é dia dos pais, dia das mães, namorados, as pessoas compram produtos como sinônimo de demonstrar seu afeto, quanta hipocrisia! na verdade todos despejam sentidos fúteis em objetos que de nada servem a não ser enriquecer os bolsos de quem os vendem e ajudar todos os anos as pessoas mais uma vez  a serem direcionada ao ato do consumismo.

Já viu a mídia estimular a comprar livros no dia do escritor? Já viu as pessoas presentearem com um livro? Claro algumas pessoas podem até presentear mais que é comum não é, pois bem, a mídia é um motor que alimenta a ignorância humana, o dia do escritor é um dia tão sapiente que deveria ser comemorado enaltecendo nossos escritores nacionais, mais paro e penso, quais? Os que já tem espaço nos meios de difusão para serem conhecidos e vistos?  Não! Estes já tem os seus méritos garantidos, ser escritor no Brasil hoje é estar em meio ao deserto esperando ser resgatado, muitas   editoras recebem originais de vários escritores espalhados por todos os cantos do Brasil, mais simplesmente muitas ignoram as obras por não possuíram o  primordial para se ganhar destaque o “nome” e nosso patrimônio cultural de escritores se vai pelo ralo quando não se é dada a atenção que merece, porque aqui como dizia nosso grande Raul Seixas “Ta tudo aberto aqui é só vim pegar” Paulo Coelho mesmo é mais conhecido lá fora do que em sua própria pátria que o pariu, os brasileiros não estão acostumados a se alimentar de informações de leitura onde podem argumentar e tirar seus pontos de vistas, por isso somos um povo burro por natureza e só quando crescemos e começamos a se desprender das correntes de nossa própria ignorância é que enxergamos as coisas melhor, mais continuo a não generalizar e dizer que muitos permanecem mesmo é na burrice e recebem pratos cheios de más informações acerca de tudo, quando se fala em TV aberta por exemplo que elege até presidentes.

Livro da Bruna Surfistinha
Por exemplo veja a nossa grande escritora brasileira Bruna Surfistinha que  escreveu um livro relatando suas experiências sexuais ao longo da sua vida, tudo bem é um direito dela, e vendeu cerca de 250 mil  exemplares, houve até espaço para um filme onde o próprio governo liberou verba para a produção o seu nome surfistinha talvez chamou a “atenção” das editoras, ETA! Brasil o pais do estimulo a prostituição, bebedeira sexo e farra, e a mente ? fica aonde?  no ânus do investimento e se vai pelo ralo da bacia do banheiro como o dinheiro da corrupção,  o brasileiro tem um costume de gostar de que não presta e segue as informações  que são postas na TV prontinhas para serem consumidas facilmente, não quero desqualificar a senhorita Bruna em sua obra, mais me pergunto como tentar escrever algo serio e de valor quando onde vivo não tem o valor de se tentar escrever para ganhar algum valor? mais quem tiver o habito de escrever e espera ser reconhecido que continue como eu também continuo, que de muito serve para o crescimento pessoal, agora caro escritor, se buscas reconhecimento de sua obra  relatando informações sapientes e que gerem argumentação, paciência, pois a caminhada é difícil rumo ao reconhecimento pelos rebanhos dos alienados, mais lembre-se! um grande pensador do nosso país um dia disse com suas sábias palavras Sr.  Mestre tiririca: “ Pior que ta não fica” medite na palavra e boa sorte.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário